Press enter to begin your search
Crucial Conversations Logo

Assessment: Estilo Sob Pressão

Pressionado? Quem? Eu? Nunca. (puro sarcasmo)

Quando os interesses são altos, as emoções fortes, e as opiniões diferem, todos nos esforçamos para ficar tranquilos. Porém, na maioria das vezes, ou nos calamos com medo de que ao falar as coisas possam piorar e se agravar, ou, explodimos porque não temos a menor idéia de como nos expressarmos honestamente e respeitosamente.

Mas há uma maneira melhor. As habilidades ensinadas em nosso livro e curso de treinamento Conversas Cruciais, podem ensinar você a ter um diálogo produtivo e eficaz, mesmo nas circunstâncias mais cruciais.

Dê o primeiro passo para melhorar suas habilidades em Conversas Cruciais, reconhecendo seu Estilo Sob Pressão. Este assessment de 33 reflexões revela suas tendências naturais para se mover para o silêncio (mascarar, evitar ou retirar) ou violência (controle, rotulagem ou ataque).

Instruções:

  • Identifique um relacionamento. Antes de começar, pense sobre o relacionamento que deseja explorar com seu líder, colega de trabalho, liderado direto, amigo ou membro da família.
  • Identifique uma circunstância. Em seguida, pense em uma circunstância difícil – uma que você normalmente fica em silêncio ou quem sabe se expressa com raiva, voz alta, sarcasmo, etc …
  • Aplique. Com esta relação e circunstância em mente, responda para as seguintes afirmações:
1. Às vezes, evito situações que possam me colocar em contato com pessoas com as quais tenho problemas.
2. Adiei o retorno de ligações telefônicas ou mensagens de correio eletrônico simplesmente porque não quis lidar com a pessoa que as enviou.
3. Às vezes, quando as pessoas tocam em uma questão delicada ou constrangedora, tento mudar de assunto.
4. Quando se trata de lidar com assuntos estressantes ou constrangedores, às vezes prefiro me omitir a dar minha opinião sincera.
5. Em vez de dizer às pessoas exatamente o que penso, às vezes lanço mão de piadas, sarcasmo ou observações maliciosas para que saibam que estou frustrado.
6. Quando tenho que mencionar algum assunto complexo, às vezes faço elogios fracos ou falsos para amortecer o golpe.
7. Para explicar meu ponto de vista, às vezes exagero meus argumentos.
8. Se percebo que estou perdendo o controle da conversa, posso interromper os demais ou mudar de assunto para que retornemos ao ponto onde acho que deveríamos estar.
9. Quando outras pessoas fazem observações que me parecem idiotas, às vezes informo-lhes minha opinião sem qualquer restrição.
10. Quando me surpreendo com determinado comentário, às vezes digo coisas que os outros poderiam entender como agressivas ou apelativas — comentários como “Tenha paciência!” ou “Isso é ridículo!”
11. Às vezes, quando a situação esquenta, deixo de argumentar contra o ponto de vista dos outros para dizer coisas que possam magoá-los a nível pessoal.
12. Quando entro em uma discussão acalorada, dizem que sou duro com o outro. Na verdade, ele pode se sentir insultado ou magoado.
13. Quando discuto determinado assunto importante, às vezes deixo de tentar explicar meu ponto de vista para tentar vencer a batalha.
14. No meio de uma conversa complicada, quase sempre me envolvo tanto nos argumentos que não vejo como estou me apresentando aos demais.
15. Quando a conversa fica complicada e faço algo que magoa alguém, rapidamente me desculpo pelos erros.
16. Quando penso em determinada conversa que tomou um rumo ruim, costumo focar primeiro no que fiz de errado e não nos erros dos outros.
17. Sou muito bom em persuadir as pessoas ao ajudá-las a entender a lógica do meu ponto de vista.
18. Posso dizer rapidamente quando os outros estão se omitindo ou assumindo a defensiva em uma conversa.
19. Às vezes, acho melhor não dar feedback severo porque sei que poderá causar sérios problemas.
20. Quando conversas não funcionam, dou um passo atrás, analiso o que está acontecendo e tomo medidas para melhorar a situação.
21. Quando os outros ficam na defensiva porque não me entenderam bem, rapidamente os trago de volta ao diálogo, esclarecendo o que eu quis dizer ou não.
22. Há alguns indivíduos com os quais sou duro, porque, para ser franco, naquele momento eu sinto que precisam ou merecem ser tratados assim.
23. Às vezes, faço afirmações absolutas, como “O fato é...” ou “É óbvio que...” para ter certeza de que entenderão meu ponto de vista.
24. Se os outros hesitam em explicar suas opiniões, eu verdadeiramente os convido a dizer o que têm em mente, seja lá o que for.
25. Às vezes, me sinto tão frustrado ou desanimado que me torno muito agressivo com a outra pessoa.
26. Mesmo quando a situação fica tensa, sou bom em descobrir porque as pessoas estão chateadas e em chegar à raiz do problema.
27. Quando percebo que tenho objetivos diferentes dos outros, quase sempre tento vencer do meu jeito, em vez de buscar um consenso.
28. Quando as coisas não vão bem no calor da conversa, fico mais propenso a ver os erros que os outros cometeram do que observar os meus próprios.
29. Após compartilhar opiniões fortes, faço o possível para convidar os outros a exporem suas opiniões, sobretudo opostas as minhas.
30. Quando os outros hesitam em compartilhar seus pontos de vista, eu ouço com ainda mais atenção e demonstro mais interesse em sua opinião.
31. Eu costumo ter problemas com pessoas que não cumprem o que foi combinado e, depois, a carga da responsabilidade recai sobre mim novamente.
32. Depois das conversas, eu tenho ainda mais problemas porque fico me lembrando diversas vezes o que foi discutido ou acordado.
33. Quando tento resolver problemas com as outras pessoas, percebo que nós entramos em discordância ou quebramos expectativas acerca de quem deveria ter a última palavra em algumas questões.
Close