As diferentes gerações no mercado de trabalho: entenda cada uma

Conflitos entre gerações no mercado de trabalho sempre existiram e, provavelmente, continuarão existindo se não aprendermos a lidar com as diferenças. Isso porque características como o modo de pensar, agir e se expressar variam muito com o passar do tempo, e cada geração acaba desenvolvendo um próprio padrão comportamental.

gerações no mercado de trabalho

Atualmente, encontramos no mercado, trabalhando lado a lado, quatro gerações com perfis totalmente diferentes — Baby Boomers, X, Y (ou millennials) e Z. Cada uma delas cresceu e vivenciou suas experiências em um mundo distinto. Portanto, o grande desafio atual é saber gerenciar bem esse choque de realidades repleto de contrastes.

Para ajudar nesta empreitada, preparamos este post para você aprender a identificar as gerações presentes no mercado de trabalho, como elas se comportam e por que entender sobre cada uma é importante para a sua empresa. Confira!

Baby Boomers

Os Baby Boomers são a geração composta por aqueles que nasceram no período entre o final a segunda guerra mundial, em 1945, até o início dos anos 60.

Com o fim da segunda guerra mundial, muitos países vivenciaram um aumento expressivo de natalidade, daí o termo “baby boom” — se desenvolveram em um cenário de polarização global fundamentada na guerra fria, o que influenciou fortemente suas visões políticas, os tornando aversos à conflitos armados e inventores da era “paz e amor”.

Principais características

O baby boomers, têm como suas principais características comportamentais, a estabilidade e a fidelidade, e normalmente apresentam cargos estratégicos e de confiança em uma carreira já consolidada. Preferem ser reconhecidos pela experiência do que pela capacidade criativa.

Geração X

A geração X é composta por aqueles que nasceram no período compreendido entre o início dos anos de 1960 até o final de 1970, aproximadamente.

Essa época foi o auge da revolução cultural, que sofreu grandes influências do movimento hippie e da liberdade sexual, resultando em indivíduos com grande desejo de paz, independência e empreendedorismo — desejos esses que são consequências naturais de um mundo devastado pela 2ª Guerra Mundial e em plena Guerra Fria.

Principais características

A geração X tem, como suas principais marcas comportamentais, o comprometimento e a linearidade, pois seus anseios eram baseados em conquistar uma carreira sólida e estável. Por isso mesmo, essa é uma geração que se acostumou com cargos ou funções em que eram subordinados.

São, hoje, profissionais que estão chegando perto da aposentadoria. Por esse motivo, buscam equilibrar a vida pessoal e a profissional, valorizando o aprimoramento de habilidades para conseguir resultados efetivos.

Além disso, valorizam os feedbacks e a burocracia e estão habituados com trabalhos rotineiros, ou seja, fazer as mesmas atividades todos os dias.

Geração Y

Entre as gerações no mercado de trabalho, também encontramos os indivíduos Y, nascidos por volta de 1980 até o início dos anos 90. São conhecidos como “millennials”. Os nascidos nessa época se depararam com um mundo totalmente globalizado e marcado pelo desejo de consumo cada vez maior.

Além disso, ela é fortemente definida pela convivência com o desenvolvimento das tecnologias de comunicação e da internet, o que fez com que esses indivíduos se habituassem com tais recursos de forma absolutamente natural.

Por serem filhos da geração X, os indivíduos Y foram, desde cedo, superestimulados para a realização de múltiplas tarefas e usam a tecnologia como aliada em suas atividades.

Principais características

Regida pelo imediatismo e intenso questionamento, os millennials dificilmente aceitam posições subalternas. Por isso, desde cedo buscam altas posições no mercado de trabalho — muitos deles já ocupam cargos de liderança em relação a pessoas da geração anterior que têm a mesma idade dos seus pais.

Essa está entre as gerações no mercado de trabalho que possuem grande criatividade e capacidade de inovar na carreira, já que acabam despertando o seu melhor quando são desafiados e recompensados. Exatamente por esse motivo, tendem a buscar empregos que não sejam monótonos e cujos salários julguem de fato compensadores.

Geração Z

A geração Z começa no início dos anos 90 e vai até o momento atual. São jovens que não entendem como pode ter existido um mundo sem internet, pois já nasceram nesse universo que tem tudo na palma de suas mãos.

Uma grande parte dos nascidos nessa geração ainda nem chegou ao mercado de trabalho. Portanto, não se sabe muito sobre qual será o real impacto da chegada desses profissionais. Entretanto, já possível fazer uma prévia sobre os integrantes da geração Z e a sua influência profissional futura.

Principais características

Uma característica marcante da geração Z é a crença de que a permanência em um mesmo emprego por toda a vida não precisa ser uma realidade como nas gerações anteriores. Além do mais, por abominarem a burocracia, muitos indivíduos dessa época preferem o home office a um emprego tradicional ou formal.

Negativamente, nota-se que os integrantes da geração Z não sabem trabalhar bem em grupo. O que se tem observado muito é que, apesar de terem diversos relacionamentos virtuais, na “vida real” eles não são bons ouvintes.

Isso pode estar ligado à urgência em coletar o máximo de informações possível e ao hábito de poder selecionar o que veem no mundo virtual — já que, pessoalmente, isso não é possível.

Teme-se que, em decorrência dessa dificuldade com a interação social e com os relacionamentos interpessoais, após 2020 faltem médicos e cientistas.

A importância de entender as especificidades de cada geração

Com certeza muitos conflitos surgem quando pessoas com perfis e ideias diferentes se juntam para solucionar problemas em uma empresa.

Por exemplo, um indivíduo X tende a buscar o modo mais seguro e que já foi testado para resolver um problema. Por outro lado, o Y vai inovar na solução e procurar formas não convencionais para, talvez, desenvolver seu próprio método.

Nesse embate de ideias, não há um certo e um errado, mas apenas formas distintas de enxergar o mundo. Não apenas para saber lidar com essas pessoas, compreender que cada geração possui suas particularidades é essencial para conseguir promover o bom convívio entre gerações no ambiente corporativo.

Como lidar com as diferentes gerações no mercado de trabalho

Algumas atitudes simples, outras mais complexas, podem ser adotadas a fim de minimizar as diferenças entre as gerações no mercado de trabalho. Separamos abaixo algumas delas:

  • oferecer treinamentos comportamentais corporativos para melhoria dos relacionamentos organizacionais;
  • saber valorizar e conciliar tanto as habilidades tradicionais quanto a capacidade de inovação;
  • desenvolver planos de carreira com incentivos personalizados;
  • estimular a comunicação interna e a transferência de conhecimentos;
  • identificar o que de melhor cada geração tem a oferecer para a empresa;
  • estimular o compartilhamento de opiniões;

Diante das diversas possibilidades de caminhos a serem tomados para resolver os embates entre gerações, a VitalSmarts, em parceria com a ASTD Workforce Development Community, realizou a pesquisa “A Grande Barreira entre Gerações” com mais de 1.350 indivíduos em diversas áreas de atuação.

A finalidade dessa pesquisa foi medir qual é o impacto dos problemas de comunicação na produtividade e no bem-estar das empresas e, com isso, obter dados relevantes para solucionar a problemática. Afinal, para aprender a lidar com a diferentes gerações, devemos primeiro conhecer quais são as fontes dos conflitos.

Agora que você já conhece as principais características das diversas gerações existentes no mercado, saiba também como lidar com conflitos entre essas gerações no mercado de trabalho para melhorar o seu ambiente de trabalho!